Demissão: principais cuidados

Tempo de leitura: 2 minutos

Gestores e empresários podem encontrar diversas dificuldades ao tomar a decisão de demitir ou não um colaborador. Romper um vínculo empregatício requer diversos cuidados, tanto burocráticos quanto comportamentais.

Justa causa

Em casos mais graves, a empresa tem o direito de optar por uma demissão por justa causa, na qual o colaborador perde o acesso ao FGTS e o valor da rescisão do contrato de trabalho. No entanto, essa é uma demissão demasiadamente complicada e deve ser muito bem avaliada pela empresa.

Respeito ao trabalhador

Independente se a demissão foi por justa causa ou não, a empresa deve respeitar o funcionário. Não denegrir sua imagem entre os demais funcionários, nem tampouco para outras empresas e não o expor a qualquer tipo de situação vexatória. Mesmo após desligado, quaisquer pertences pessoais que tenham ficado na empresa, por exemplo, continuam sendo do colaborador e ele tem total direito sobre eles.

Reflexo da demissão para a equipe

Uma demissão mal executada, além dos problemas judiciais, pode trazer questões gerenciais. Muitas vezes, o restante da equipe pode entender mal uma demissão, podem ocorrer boatos e desentendimentos que irão, por consequência, reduzir a produtividade. É muito importante pensar em como essa demissão poderá refletir no resultado geral da empresa, e deve ser feita uma comunicação clara a respeito dos motivos (sem expor o ex-funcionário), de forma a garantir a motivação da equipe e burburinhos entre o restante da empresa.

Evite a demissão sempre que puder

Empresa nenhuma deve decidir demitir um funcionário de um dia para outro. Além do reflexo que isso traz nos outros funcionários, também pode causar dificuldades para o embasamento da demissão, especialmente quando se utilizará uma justa causa. Por isso, a fase da pré-demissão é muito importante, aquela em que os gestores fazem feedbacks e alertam o funcionário. Manter o histórico do funcionário, por meio de documentação e registros é importantíssimo em caso de eventual defesa judicial.

Em caso de dúvidas, faça uma consulta com um dos nossos advogados.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *